0800 9000 170 | (14) 99661-0578 (Pós Graduação)

COVID-19 — Como realizar procedimentos odontológicos durante a pandemia

Saiba como atender pacientes durante a epidemia em conformidade com a legislação.

Em virtude da disseminação do novo coronavírus (COVID-19) no Brasil — especialmente em São Paulo, onde há o maior número de casos confirmados e mortes registradas pela doença — o CROSP (Conselho Regional de Odontologia de São Paulo) recomenda que os profissionais de saúde bucal realizem somente atendimentos de emergência e urgência.

Além dessa, outras medidas foram definidas pelo conselho a fim de preservar a saúde dos profissionais da área e também da sociedade como um todo frente à pandemia, visto que os procedimentos odontológicos elevam as chances de contaminação cruzada.

Realizando procedimentos de emergência em tempos de COVID-19

O CROSP está instruindo os profissionais das redes privada e pública, além de atuar junto aos órgãos públicos responsáveis pelas políticas de atendimento à saúde.

A recomendação aos profissionais oriundos da rede privada é a de reformularem os processos de atendimento e se atentarem às orientações técnicas de limitação parcial ou total da abertura, resultantes de instruções novas dos governos Federal e Estadual e da evolução da pandemia.

Outras recomendações para cirurgiões-dentistas para prevenção do COVID-19, incluem:

  • Redobrar a precaução no manuseio de moldes e modelos, garantindo que se mantenham desinfectados;

  • Utilizar máscara com válvula N95 ou trocar a máscara tradicional a cada duas horas de uso;

  • Lavar as mãos com cuidado antes e depois de tratar o paciente;

  • Reforçar o uso de jaleco, seja ele descartável ou de tecido;

  • Aumentar a frequência da limpeza os óculos de proteção;

  • Trocar as luvas descartáveis a cada atendimento;

  • Limpar e desinfetar todas as superfícies e o ambiente de trabalho ao término de cada consulta;

  • Manter as superfícies do consultório desinfetadas e limpas de forma permanente, pois o vírus pode se locomover através dos aerossóis e ficar vivo durante mais de 9 dias;

  • Seguir todos os procedimentos de esterilização e desinfecção rigorosamente;

  • Evitar cumprimentos com aperto de mão e beijo no atendimento.

Ainda, em ofício enviado ao COSEMS/SP (Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo), o órgão fez as seguintes solicitações:

  • Cancelamentos de atendimentos a pacientes com sintomas de COVID-19;

  • Afastamento de profissionais que estejam com problemas de saúde;

  • Espaçamento maior entre as consultas para assegurar que as medidas de biossegurança sejam adotadas;

  • Distribuição de EPIs (Equipamento de Proteção Individual) à equipe de saúde bucal (ASB, CD e TSB);

  • Adiamento de procedimentos eletivos com produção de aerossóis.

Essas solicitações, com destaque para a última, foram acatadas também pelo Ministério da Saúde, que a divulgou a Nota Técnica nº 9/2020 na sexta-feira, dia 20/03.

 

Nota Técnica nº 9/2020 de 20/03 do Ministério da Saúde

O documento contém instruções sobre o atendimento odontológico no SUS (Sistema Único de Saúde), em meio à pandemia do novo coronavírus. Inclusive, a principal instrução é, exatamente, a suspensão dos procedimentos eletivos. Serão mantidos o atendimento à urgências, assim como o CROSP já havia orientado.

Na nota, o Ministério da Saúde aconselha que os atendimentos sejam individuais para que a transmissão de microrganismo seja evitada, especialmente quando for necessária a utilização dos aerossóis. No entanto, essas não são as únicas recomendações. 

Dentre as orientações presentes na Nota Técnica nº 9/2020 de 20/03 do Ministério da Saúde, estão:

  • Adiar a execução de atividades coletivas (bochecho fluoretado, escovação dental supervisionada, aplicação tópica de flúor gel, etc);

  • Estabelecer um intervalo maior entre os atendimentos para que seja possível descontaminar os ambientes da maneira adequada;

  • Utilização da máscara N95 somente para o caso de tratamento de pacientes que apresentem algum sintoma de infecção respiratória  — o uso deve ser reforçado especialmente para os casos de procedimentos que gerem aerossóis;

  • Ressaltar a obrigatoriedade e a importância da utilização correta dos EPIs, independentemente do usuário apresentar ou não suspeitas de contaminação por vírus.

Além disso, o ofício também informa que essas orientações são igualmente voltadas para os profissionais odontológicos da Atenção Especializada, como os Centros de Especialidades Odontológicas (CEO), e os da Atenção Primária à Saúde. 

 

Fast-Track COVID-19

Ademais, a Nota Técnica nº 9/2020 de 20/03 do Ministério da Saúde também reforça que os profissionais da saúde bucal, como os membros dos times compostos por multiprofissionais na Atenção Primária à Saúde, devem integrar as equipes que executarão as atividades do Fast-Track COVID-19.

O Fast-Track COVID-19 é uma estratégia de triagem que tem como objetivo acelerar o atendimento de quadros de síndromes gripais, incluindo os suspeitos de COVID-19.

Esse sistema é proveniente de protocolos de triagem de emergências que privilegia pacientes que correm maiores riscos de infecção, sobretudo os idosos que têm mais de 60 anos, e impede o contágio local entre os demais pacientes.

Os profissionais de saúde bucal de nível técnico (técnicos de saúde bucal e auxiliares de saúde bucal) terão que ajudar na fase inicial da identificação dos pacientes sintomáticos, tomando sempre as precauções necessárias de proteção e também de isolamento.

Já os profissionais de saúde bucal de nível superior (cirurgiões-dentistas), terão que ajudar no atendimento da fase de avaliação desses sintomas e, se for preciso, notificação, auxiliando os profissionais de nível superior da enfermagem.

Vale a pena salientar que as instruções de atendimento e de participação na estratégia Fast-Track poderão ser atualizadas a qualquer momento pelo Ministério da Saúde, em conformidade com o avanço do cenário epidemiológico do novo coronavírus em nosso país.

A autarquia pede que o profissional mantenha a calma e acompanhe todas as recomendações do Ministério da Saúde através do site oficial.

Além deste canal de comunicação, o órgão realiza, todos os dias, às 16h, uma coletiva de imprensa a fim de dar as devidas atualizações sobre a situação do COVID-19 no Brasil. É feita uma transmissão na página oficial do Ministério da Saúde no Facebook.

Por fim, ainda é possível acompanhar as confirmações dos casos do novo coronavírus na plataforma que o Ministério da Saúde disponibiliza.

 

*Este artigo pertence a Faculdade do Centro Oeste Paulista, sua reprodução integral ou parcial para fins comerciais é proibido e estará sujeito a sanções legais. 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top